sábado, 28 de julho de 2012

DHEG - Doença Hipertensiva Específica da Gestação


A gravidez é um dos diversos períodos do ciclo de vida da mulher que, em sua grande maioria, ocorre sem maiores problemas em relação à saúde mãe e do feto. Porém, quando acompanhada de diferentes transtornos fisiológicos, genéticos, emocionais e socioeconômicos, pode tornar-se um risco em potencial.



Hoje falarei sobre DHEG. Para muitas uma sigla desconhecida, para nós enfermeiros significa Doenças Hipertensivas Específicas da Gestação. Resolvi escrever sobre  este tema por ter sido o tema de meu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) na Graduação em Enfermagem. Além disso, trabalho em uma unidade onde a maioria das mamães que atendemos sofrem ou esta internada após parto com essa doença.

Primeiro de tudo, é importante saber algumas coisas sobre a DHEG:
  • Desordem hipertensiva é a complicação médica mais comum na gestação. O DHEG causa danos à saúde da mãe e do feto;
  • Em todo pré-natal, é importante que ocorra o acompanhamento desta pressão arterial, para que o diagnostico seja sempre anterior às consequências mais grave desta desordem;
  • A pressão arterial é medida através de um aparelho colocado em nosso braço chamado esfigmomanômetro, onde a definimos com pressão sistólica e diastólica. Pra quem não é da área da saúde, falar de sistólica e diastólica é falar grego né?



 Para melhor entendimento, classificaria a DHEG nas seguintes formas:

  • Hipertensão crônica – Aquela que a gestante manifestou antes da 20ª semana de gestação e persiste após a sexta semana após o parto;
  • Pré eclâmpsia: Além de elevação da pressão arterial, há a proteinúria. Mas o que é a proteinúria? Também chamada de albuminúria, é uma condição onde a urina contém quantidades anormais de proteínas. Albumina é uma proteína do plasma, feita pelo nosso fígado, e é a principal proteína no sangue. Ela é produzida através do metabolismo dos alimentos ricos em proteína como carne, ovos, leites e derivados. Essas proteínas realizam várias funções importantes: protegem o corpo de infecções, ajudam na coagulação sanguínea e mantém a quantidade adequada de fluído no corpo. Se por algum motivo o rim se alterar, vai eliminar a albumina na urina e, consequentemente, a água vai sair para fora dos vasos e se acumular, provocando edema.
    Resumindo um pouco, nosso rim normalmente retém a proteína através da filtração. Em algumas situações como a pré-eclampsia, os rins tem sua capacidade de filtrar afetada, fazendo a mãe perder proteína pela urina. É preciso fazer um exame específico (exame de urina), onde armazenamos a urina durante 24 e mandamos para o laboratório;
  • Eclâmpsia é a ocorrência de crises convulsivas em gestantes com pré eclampsia sem lesão neurológica prévia. Tem também a síndrome Síndrome HELLP - são as iniciais usadas para descrever a condição de pacientes com pré-eclâmpsia grave. É uma complicação da gestação caracterizada por hemólise (destruição dos glóbulos vermelhos do sangue por rompimento da membrana plasmática com liberação da hemoglobina), enzimas hepáticas elevadas e baixa contagem de plaquetas. Todas essas características podem ser observadas em exames de laboratório. Os sintomas típicos dessa síndrome são a cefaleia, dor epigástrica ou no quadrante superior direito do abdômen, náuseas e vômitos, podendo a hipertensão estar ausente em 20% dos casos, ou ser leve em 30%.
Existem alguns fatores de risco para a hipertensão arterial na gestação, sendo estes:
- Primeira gestação;
- Gravidez de gêmeos;
- Histórico familiar de hipertensão na gestação;
- Diabetes;
- Gestantes que já tem pressão alta;
- Gestantes acima de 40 anos e gestantes adolescente.
A gestante deveria saber alguns sinais e sintomas desta doença seria fundamental, para poder procurar tratamento mais rápido. Então, mamãe, a qualquer um desses sintomas que vou falar, procure seu médico ou uma unidade hospitalar. É melhor prevenir que remediar:
1. Elevação da pressão arterial.
2. Dor na boca do estômago (dor epigástrica).
3. Dor de cabeça persistente (cefaleia).
4. Pontinhos luminosos na visão (escotomas).
5. Diminuição da produção de urina.
Muitas vezes, esta patologia leva a gestante a ficar internada em uma unidade específica para gestantes, para monitorar a saúde da mãe e do bebê.
Durante esta internação, e com minha experiência é o dia a dia, onde observo além do desconforto que sentem por não estarem em suas casas com suas famílias, o medo e a angústia são os maiores sentimentos destas gestantes. Medo da doença, medo da morte, falta dos familiares e o medo de um bebê prematuro estão estampados em seus rostos.
Talvez isso ocorra por falta de informação, que por muitas vezes fazem que elas transformem os dias que seriam os mais felizes de suas vidas em dias de angústias e aflições.
Em muitos casos, a interrupção da gravidez e necessária para que a pressão da mãe volte a estabilizar. Nada de pânico: pela minha experiência e o que vejo em meu dia a dia, a grande maioria sai da maternidade feliz da vida com seus bebês no colo. O diagnóstico precoce é fundamental. Por isso, saliento mais uma vez a importância das consultas do pré-natal.
Tem alguma pergunta pra fazer? Pode perguntar pra mim, este blog é não só para informar, mas para tirar as dúvidas pessoais de vocês mamães. Não tenha medo de perguntar - é importante pra mim, e quero responder todas as perguntas que possam ter, é pra isso que o Mamãe & Bebê a Bordo existe. E, se não entendeu ou achou os termos muito técnicos, não deixe de me dizer - a ideia do blog é fazer você, futura mamãe, entender o que está acontecendo com seu corpo durante a gravidez. Em breve falarei também sobre os cuidados com recém nascido prematuro, uma das consequência também das DHEG.
ESPERO VOCÊ!

13 comentários:

  1. Parabéns pela iniciativa, espero que este site possa ajudar muitas mamães e acompanhantes... Torço por vc sempre.. bjs
    Enfª Alba Mattos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada amiga e companheira, fico muito feliz pelo seu apoio, o blog fica aberto a críticas também, viu?

      Excluir
    2. adorei pois eu tive o problema na minha primeira gravidez ,mas so agora eu descobrir o significado da sigla e entendi o porque eu perdia proteina pela urina.

      Excluir
  2. Lindo começo de blog. Espero que ele ajude muitas mamães e bebezinhos por aí, porque talento pra coisa tu tem, de sobra!

    ResponderExcluir
  3. Para comentar tem de usar uma conta do Gmail

    ResponderExcluir
  4. Lindo! Amei! Parabéns amiga e colega de profissão! Com certeza esse blog foi gestado com muito carinho, pois nasceu com toda pompa! ;)

    ResponderExcluir
  5. Um blog que vai ser útil pra muita gente, e já deve tar sendo!

    (E agora não precisa mais ter conta do google pra comentar - é só clicar em Nome/Url em "Comentar como:" pra deixar seu comentário aqui)

    ResponderExcluir
  6. Ficou lindoooo Deise.........parabéns.....espero ajudar em alguma coisa no seu blog....... bjaoooo

    ResponderExcluir
  7. Ficou lindoooo Deise.........parabéns.....espero ajudar em alguma coisa no seu blog....... bjaoooo

    ResponderExcluir
  8. Excelente Post!
    Felizmente, na maioria dos casos, a gravidez não traz complicações na saúde da mãe e do seu filho, porém é preciso tomar bastante cuidado, pois é um período onde a gestante encontra-se mais sensível a transtornos e doenças como a DHEG. Parabéns pelo post!
    http://artbabydf.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Gostaria de saber se quem ja teve dheg pode ter de novo?

    ResponderExcluir
  10. Tenho 34 anos e estou com 20 semanas da segunda gestação, a primeira gestação eu tinha 27 anos e tive Dheg, fiquei 11 dias internada e ganhei minha filha com 34 semanas. Confesso que estou muito aflita em pensar em ter Dheg novamente, estou tomando AS infantil desde o início e gostaria de saber se corro o risco de ter Dheg novamente?

    ResponderExcluir
  11. qual e mas perigoso a DHEG ou a MHEG?

    ResponderExcluir